sábado, 6 de julho de 2013

Brasil, e sua pseudo-diversidade como um (pseudo)país laico

Olá queridos leitores do wicca aberta! Sinto muito meu sumiço, mas hoje estou aqui para desabafar algo. Na onda de manifestos brasileiros ocorridos recentemente, não pôde (e nem devia) desconhecer aos nossos projetos de leis.

Em um país onde a educação e a saúde perde espaço para o futebol, diziam haver um certo laicismo. Porém a cada vez estamos caminhando ao erro. 
Só não consigo entender como um país com perfil de copa do mundo pode simplesmente curar os gays, porém isso não é a pior coisa. A cada dia tentam violar a cada vez mais nosso direito de celebrarmos o que bem entendermos. Como neo-pagão, sinto a cada dia sermos ofendidos por um partido puramente cristão,  cujos argumentos não passam de mentiras. Não quero entrar em muitos detalhes, porém primeiramente somos obrigados a ganhar o nosso meio de sustento baseado em um Deus que nós não celebramos, com as notas "Deus seja louvado". Desde o ensino escolar somos obrigados a nos alienar sobre aulas de ensino religioso, que na verdade só nos ensinam sua religião. 

Sinto-me no conforto de fazer uma alusão aos pobres índios, cujos foram "convertidos" pelos portugueses com a colonização do Brasil. Como podemos valorizar a "cultura da mistura brasileira" se somos obrigados a simplesmente balançar a cabeça e concordarmos com tudo??

Caros irmãos, sejam vocês de qualquer forma de culto ou religião, há alguém aqui lendo este texto agora que busca com sua religião o mal a si próprio? Pois voltemos ao conceito de religião, cujo vem do latim "religare" que nos determina a nos ligarmos com Deus? Seja ele representado sobre todas as representações possíveis, mundialmente falando.

Sinceramente, o que mais me magoa nessa história é que q cada dia somos obrigados a concordar com algo que para nós não faz sentido. No fim todas as religiões levam a um só lugar. Faz sentido querer, em pleno século XXI uma guerra religiosa?

Perdoem minha ignorância, porém penso que ao mesmo tempo estamos nos conduzindo a costumes ridículos, que talvez os primitivos tivessem mais consciencia que nós mesmos. 

Eu, Octo Ewen Chliste luto por um país descente, pelo orgulho do meu país. Da aceitação do ser humano como ele é, seja esta distinção de cor, raça, religião, orientação sexual, grau de conhecimento. E na verdade todos somos compostos de carne e osso, somos humanos ou seremos egoístas ao ponto de pensar que seus costumes são melhores que os dos outros?

Perdoem-me pelo desabafo, mas precisei fazê-lo, mas, por favor, pense nisso!!!


Texto de Octo Ewen Chliste


0 comentários:

Postar um comentário